GDCI Projects, News September 15, 2021

Ruas pela Vida: Iniciativas de Redução de Velocidade em Recife e Salvador

As cidades de Recife e Salvador têm avançado na prevenção de mortes e lesões no trânsito, investindo em mobilidade segura e sustentável para proteger os usuários mais vulneráveis ​​- pedestres, ciclistas e motociclistas. Em 2020, as duas cidades passaram a integrar a Iniciativa Bloomberg para a Segurança Viária Global (BIGRS), que tem apoiado seus esforços recentes de segurança viária. Como parte do pilar Ruas Seguras e Infraestrutura desta iniciativa, a GDCI fornece assistência técnica às cidades e tem sido um aliado nos projetos de redesenho de ruas.

Todos os anos, cerca de 40.000 brasileiros perdem a vida nas ruas do país. A velocidade é um fator de risco importante para a segurança no trânsito e influencia tanto a probabilidade de um sinistro quanto sua gravidade e risco de morte, sendo responsável por uma em cada três mortes em sinistros de trânsito em todo o mundo, de acordo com a OMS. A redução da velocidade foi o tema central da Semana Global de Segurança Viária da ONU deste ano, e em maio de 2021, em conjunto com o Maio Amarelo, as duas cidades demonstraram seus esforços em diminuir as velocidades e reduzir os sinistros de trânsito a partir da transformação das ruas.

Na mesma ocasião, os prefeitos de Recife e Salvador assinaram a carta aberta da ONU, se comprometendo a reduzir em 50% o número de mortes no trânsito até 2030 e lançaram projetos de redução de velocidade para 30 km/h em diversos bairros das cidades, alguns dos quais estão destacados a seguir:

Rua da Palma in Recife

Nos últimos anos, a capital pernambucana vem passando por uma grande transformação, tendo como foco principal a promoção e proteção dos meios de transporte ativos.

Localizada no centro de Recife, a Rua da Palma é uma movimentada rua comercial no bairro do Santo Antônio. Embora acessada predominantemente a pé ou por transporte público, a maior parte do espaço da rua era dedicado aos carros (67%), e pedestres e vendedores ambulantes acabavam com frequência usando o leito viário. De fato, apenas 37% dos pedestres entrevistados consideravam as condições de caminhabilidade na área boas ou excelentes, e 79% dos pedestres entrevistados não consideravam seguro atravessar a rua.

Pensando nisso, a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano de Recife (CTTU) se dispôs a redesenhar o espaço. Como primeiro passo, o limite de velocidade foi reduzido para 30 km/h, as faixas de veículos se tornaram mais estreitas, e as vagas de estacionamento deram lugar a passeios alargados, acrescentando 1020 metros quadrados de espaço para pedestres. Em seguida, bancos, jardineiras e paraciclos foram instalados para trazer mais conforto aos transeuntes, comerciantes e trabalhadores da área. Para aumentar a segurança de quem vem das ruas transversais, novas travessias de pedestres também foram adicionadas. Após a intervenção, 71% dos entrevistados relataram se sentir seguros ao atravessar as ruas e 80% descreveram como positiva a experiência de caminhar pela Rua da Palma. Além disso, foi observado o cumprimento do limite de velocidade (30 km/h) por 97% dos motoristas.

A prefeitura de Recife continua propondo melhorias para outras regiões da cidade e usando as intervenções temporárias para testar conceitos à medida que avançam. Por ora, o projeto tem sido um sucesso e servirá como um bom roteiro para outras intervenções na cidade.

Zona 30 do Bonfim, Salvador

O bairro do Bonfim é um bairro histórico de Salvador, que abriga importantes marcos culturais e religiosos da Cidade Baixa. Devido ao seu grande significado histórico e a emblemática igreja do Nosso Senhor do Bonfim, o bairro é uma atração turística e, todo ano, milhares de pessoas se reúnem ali em uma das maiores festas religiosas do país – a Lavagem do Bonfim. Em virtude da alta concentração de pedestres na área, a segurança e conforto dos pedestres foram as principais prioridades para os moradores e turistas que frequentam a região –  86% das pessoas entrevistadas concordaram que os pedestres deveriam ser priorizados no bairro, uma vez que apenas 41% se sentem seguros ao atravessar as ruas e apenas 21% avaliam positivamente as condições de caminhabilidade da área.

Durante o Maio Amarelo, a prefeitura de Salvador propôs uma zona 30 para a área, dando passos importantes para proteger os pedestres do bairro por meio do desenho urbano. Mudanças na circulação permitiram a criação de uma praça, com a pintura do pavimento e a adição de balizadores, bancos e elementos lúdicos para as crianças. Essas melhorias somaram quase 400 metros quadrados de espaço adicional para pedestres. Além disso, o limite de velocidade foi reduzido para 30 km/h e nova sinalização e faixas de pedestres foram acrescentadas. O redesenho do cruzamento levou a uma redução de 77% dos veículos que ultrapassam o limite de velocidade no entorno imediato e a 91% de conformidade geral com o novo limite. Devido ao sucesso do projeto, a prefeitura anunciou a implementação de mais zonas calmas em diversos pontos da cidade.

[metaslider id=”31228″]

Essa colaboração entre a Global Designing Cities Initiative da NACTO com as Prefeituras de Recife e Salvador foi possibilitada graças ao apoio da Bloomberg Philanthropies Initiative for Global Road Safety (BIGRS).

Escrito por Eduarda Aun

Para mais informações sobre este projeto, favor contatar eduardo@nacto.org

More Updates

My Way to School: Making kids’ journeys to school in Santiago, Chile, safer and more enjoyable

January 23, 2023

My Way to School: Making kids’ journeys to school in Santiago, Chile, safer and more enjoyable

In 2019, the GDCI team selected the capital city of Santiago, Chile, as a Streets for Kids Technical Assistance project. Together with Ciudad Emergente, a Chilean nonprofit, we selected Enrique Soro street as the project site. The project’s main objectives were to establish safe intersections, extend sidewalks, and reduce speeds.

Quito: A Cycling Success Story

December 14, 2022

Quito: A Cycling Success Story

The Global Designing Cities Initiative is committed to reimagining streets as places for people, shaping cities that are healthy, accessible, and equitable for everyone. We also recognize cycling as a safe, efficient, and sustainable mode of transportation. Despite the lack of safe cycling infrastructure that hinders many would-be cyclists around the world from relying on their bikes, there are a number of cities that have made significant progress in recent years. Committed to making its streets more cycle-friendly, Quito, Ecuador, has implemented large-scale, successful cycling infrastructure projects that make it a cycling success story.